quarta-feira, 26 de outubro de 2011

ALMA GÊMEA

Posso até não me expressar como deveria, mas serei eternamente um contador de histórias. Adoro conversar com pessoas mais velhas, pois essas já viveram muito e têm interessantes causos para nos relatar, lindos romances que já viveram ou mesmo estranhos desfechos que os levaram a escuridão de um poço sem fundo. Essa é a história de Sinfrônio, um abastado fazendeiro do município de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais. Casara-se Sinfrônio com uma linda cabrocha que o amava desesperadamente, tudo fazia a menina para agradá-lo e servi-lo da melhor maneira possível. Dera-lhe lindos filhos e filhas e estes agora entre oito e doze anos de idade. Mas Sinfrônio era impetuoso, aos finais de semana arreava o cavalo e marchava à cidade, onde freqüentava bares para beber com amigos  e ficar com mulheres de vida fácil. Sua esposa ficava em casa cuidando dos filhos e da casa, além do serviço da fazenda tinha muitos animais , porcos, vacas e galinhas. Mas ela era feliz, amava demais seu marido e considerava que ele merecia sair para se divertir e prosear com os amigos.  Mas as armadilhas da vida armou-lhe uma triste decepção, Sinfrônio, numa dessas saídas enrabichou-se por outra mulher, e talvez cegado pelos carinhos da amante acabou por abandonar sua legítima esposa.  Abandonou também os serviços da fazenda, e quando aparecia era para mostrar um pedaço de terra que vendia para apurar dinheiro para bancar os caprichos da amante. Assim de gleba em gleba ele práticamente vendera toda a fazenda, sobrando apenas alguns poucos alqueires que sediavam a casa principal. A amante tomava-lhe todo o dinheiro, e para seu nome comprava na cidade várias casas e bens. Andava bem vestida, coberta de jóias e tinha tudo do melhor. O assunto correu a pequena cidade, e acabou por chegar aos ouvidos de sua fiel esposa, que se mantinha firme em casa cuidando do que lhe restara. Esta, ao saber chorou muito, era o que considerava ser feito, pois talvez na época, não tinham as mulheres, tanta voga na lei dos homens. Restava-lhe apenas aceitar seu triste destino. Mas o tempo passou, e sem mais o que vender para arranjar dinheiro para manter os caprichos da amante, Sinfrônio se viu mal. Esta passou a lhe tratar mal, não lhe fazendo as refeições, e nas brigas, pela falta do dinheiro que ele não lhe arranjava expulsou-o de casa. Sinfrônio se viu na rua, somente com a roupa do corpo, não tinha mais nem os amigos com quem bebia, e então, sujo, maltrapilho e desmoralizado vagou durante anos pelas estradas. Pensou várias vezes em retornar á casa da verdadeira esposa, mas, sentiu vergonha, pelo menos esse sentimento lhe restara. Um certo dia, sua esposa viera à cidade fazer compras, e na calçada diante do bar, o viu caído. Reconhecendo seu marido o levantou e o levou para casa, onde todos os filhos se alegraram com seu retorno. Ele tinha várias feridas pelo corpo e estava adoentado. Feliz e pacientemente sua esposa lavou-lhe os pés e o acomodou em sua cama, a cama que ele abandonara há anos atráz. Em seu retorno não houve briga ou mesmo pedido de satisfações por parte da esposa, tratou-lhe, sua verdadeira mulher, como se nada tivesse acontecido ou mesmo o tempo não tivesse passado. Algum tempo depois, já melhor de saúde, Sinfrônio ainda tentava adaptar-se a sua família, pois os filhos agora moços lhes parecia estranhos, mesmo que o tratassem com tanto carinho. Sua esposa se desdobrava no trabalho, mas agora já tinha a ajuda dos filhos. Esperava pacientemente a recuperação do marido, mas mal sabia ela que o remorso impiedosamente o corroia por dentro. Sinfrônio não conseguia entender que depois de tudo que ele tinha feito, sua esposa ainda o amasse tanto. Então era mês de outubro, o canto das cigarras no matagal  não foi capaz de cobrir o som do estampido de um tiro. Correram esposa e filhos ao quarto e se depararam com a terrível cena. Sinfrônio estava caído ao chão, e apontado para sua cabeça tinha um revolver ainda fumegante. O remorso que sentiu ao retornar ao lar, o fez ver quem eram seus verdadeiros amores. Ele compreendeu que não merecia sua esposa, sua verdadeira alma gêmea. O que fizera não tinha conserto nessa vida; talvez pudesse reparar tudo em outra dimensão.

Esse conto é verdadeiro, os nomes dos envolvidos, época e mesmo o local em que se passou o fato não puderam serem revelados por respeito aos mesmos. Qualquer caso semelhante a esse é mera coincidencia.